9.7.05

Mafalda Arnauth e Corvos: Um Sucesso Esmagador


Foto gentilmente cedida por Egeac / José Maria Frade

Lisboa estava, de facto, há muito mobilizada - e a expectativa de um concerto único arrastou, ontem à noite, uma multidão para a Praça d’Armas do Castelo de São Jorge.
O espectáculo inseriu-se no programa da Festa do Fado 2005, uma organização da Egeac para as festas da cidade de Lisboa.
O objectivo desta iniciativa passou por juntar artistas de renome do mundo do Fado a convidados (músicos e projectos) de outras áreas musicais, dando uma nova vitalidade à sonoridade típica do Fado, fazendo-o renascer.
De mãos dadas com os Corvos, Mafalda Arnauth subiu a palco para estrear alguns temas originais e (re)interpretar os maiores sucessos da sua carreira, em conjunto com o intrigante e consagrado quarteto de cordas, cuja identidade assenta numa linguagem invulgar, em busca de novas sonoridades.
Com a junção improvável da voz de Mafalda Arnauth, os seus guitarristas e os Corvos, numa espectacular noite onde o próprio estado do tempo pareceu colaborar o mais que lhe era possível, tudo começou com “DE NÃO SABER SER LOUCURA”, com Mafalda Arnauth, Celo e Guitarristas. Não foi preciso mais para a casa cheia ficar rendida.
O Celo saiu depois para bastidores, deixando o palco para Mafalda e os seus músicos interpretarem “PODE LÁ SER”, “INSTANTE DOS SENTIDOS”, “TROVA” e “TRISTE SINA”.
“HORTELÃ MOURISCA” marcou o regresso dos Corvos ao palco, com todo o ensemble a interpretar ainda “COISA ASSIM” e “PARA MARIA”.
Foi então a vez do palco ficar inteiramente por conta dos Corvos. Dois instrumentais fizeram brilhar ainda mais, face a um público rendido, o virtuosismo do quarteto de cordas.
“MEUS LINDOS OLHOS” foi a deixa para Mafalda Arnauth e os seus guitarristas voltarem ao palco, num instante marcante em que o Clube de Fãs da fadista a presenteou com um cabaz de flores e um urso de peluche gigante, objectos que não mais deixaram o palco.
O espectáculo prosseguiu com “LUSITANA” e mais um tema novo, “MILONGA DO CHIADO, tema para cuja interpretação os Corvos voltaram ao ensemble de palco.
Todos juntos, interpretaram “EU VENHO”, “POR ONDE ME LEVAR O VENTO” e “AUDÁCIA”, mais um tema inédito que foi, ainda assim, capaz de arrancar da assistência um dos aplausos mais fortes da noite.
“FADO ARNAUTH” acabaria por ser a escolha óbvia para o encerramento do concerto, não fosse a insistência das 600 pessoas que esgotavam o recinto nos encores… e a surpresa maior estava para vir.
Num arriscado improviso, Mafalda Arnauth, os Guitarristas e os Corvos lançaram-se a “ESTRANHA FORMA DE VIDA”, numa versão que homenageou Amália como poucos e encerrou, com chave de ouro, uma magnífica e inesquecível noite de Fado.

9 Comments:

At 9:54 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Simplesmente mágnifico!

Um casamento perfeito entre os Corvos e a Mafalda.

Venham mais concertos desses pelo pais fora, Portugal e o mundo precisam de vos ouvir e de sentir!

Um grande bem haja à Mafalda por existir e encantar.

Um abraço,

João

 
At 9:54 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Sou enorme fã da Mafalda e partilhei com as 600 pessoas presentes no Castelo de São Jorge o prazer de ouvi-la ao vivo.

O público já sente a sua falta!
Para quando o novo disco?

 
At 9:55 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 
At 6:41 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Mau mau... ainda agora começou e este blogue já tem mensagens censuradas? Muito mau sinal porque no mundo dos blogues a regra é nunca se tirar nada e responder a tudo. Quem se mete neste mundo deveria saber esta regra sagrada. Mau, muito mau... Ou também vão censurar esta mensagem?

 
At 7:09 da tarde, Blogger BMA said...

Caríssimo(a) Anónimo(a):
Não se preocupe. A mensagem a que se refere não foi censurada. Foi um mesmo comentário inserido duas vezes, por lapso de duplo clique - e que retirámos apenas para não ficar repetido, sem necessidade. Quanto à referência que faz à "regra sagrada", agradecemos a sua opinião. Essa "regra" será sempre "sagrada" neste blogue - salvo em ocasiões em que, a coberto de "regras sagradas", haja as tentativas de abuso que infelizmente surgem, de quando em vez, na blogosfera.

 
At 8:41 da tarde, Anonymous Anónimo said...

Pronto! Assim fico bem mais motivado para regressar.

É que tenho uma imensa estima pela Mafalda, reconheço-a como uma das mais afirmativas PESSOAS do fado, forte e honesta na sua personalidade.

Que bom que possa voltar aqui!

 
At 6:49 da tarde, Anonymous Anónimo said...

OLÁ MAFALDA, GOSTAVA DE VER ESSA VOZ NUMA MÚSICA DOS CORVOS. ACHO QUE IA FICAR GENIAL.
GOSTAVA TAMBÉM DE OS VER MAIS VEZES JUNTOS A TOCAR AO VIVO.MAFALDARNAUTH E CORVOS SIMPLESMENTE MARAVILHOSO!

 
At 10:19 da tarde, Blogger MafaldaN said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 
At 10:24 da tarde, Blogger MafaldaN said...

Encantador... É a palavra que primeiro me sugere aquilo a que assisti. Um ambiente quente, uma voz fantástica e um acompanhamento musical extraordinário, tudo isto sob um cenário paradisíaco. Assim é que se faz espectáculo...

 

Enviar um comentário

<< Home